A “mama gorda”

Actualização: Tive oportunidade de ir navegar pela costa próxima do Sotavento, e ver “finalmente” o “Cerro da Mama Gorda”. Fica aqui o post referente com as fotos do dito “cerro”.

Quando se navega a poucas milhas da costa, esta apresenta relevos que podem ser usados pelos navegantes como pontos de referência. Aqui na Costa Algarvia do Sotavento, a colina sobranceira mais próxima do mar é sem dúvida o Cerro de São Miguel que, dos seus perto de 400 metros de altitude, é praticamente visível em terra e no mar, provavelmente conhecido desde tempos imemoriais quando imensos povos percorreram estes mares, e as suas embarcações nunca perdiam a costa de vista.
Muito provavelmente, a estes relevos notáveis eram atribuídos nomes e provavelmente dedicados a divindades relacionadas com o vento ou outras(e.g. Cabo de São Vicente, considerado Promontorium Sacrum pelos romanos). No caso do Cerro de São Miguel, também chamado de Monte Figo na antiguidade, baptizando a serra de constituição calcária do qual o Cerro é a sua elevação mais importante, um artigo da autoria do geógrafo Luís Fraga da Silva já discute a importância que essa elevação representaria para os navegadores na antiguidade clássica.
O tema que quero apresentar hoje é referente a uma expressão usada para indicar a “Serra de Tavira” partir do mar desde, pelo menos, o século XVII, quando “Mama Gorda” aparece em pelo menos dois livros, um da autoria do geógrafo português Luís Serrão Pimentel e mais tarde por seu filho Manuel Pimentel :

Entre estes cerca de 30 anos vemos e entre pai e filho que foram ambos cosmógrafos reais de Portugal há de assinalar mais pormenores em comum do que as diferenças: em primeiro lugar, Tavila passa a chamar-se Tavira . E, em segundo lugar, em 1712, Manuel Pimentel assinala a dificuldade da entrada no Porto de Tavira devido à existência de barras cuja localização se encontra constantemente em movimento (facto referido mais tarde por Sande de Vasconcelos nas notas das suas cartas de Tavira). Mas os nomes dos pontes de referência relativos aos relevos são os mesmo: Monte Figo, Monte Pequeno (Cerro da Cabeça, a leste do Cerro de São Miguel), e novamente a tal “…Mama Gorda, a qual serra vay correndo ate Crastomarim“, e neste ponto o texto do filho Manuel Serrão é “ipsis verbis” o do pai. Impõe-se então aqui um mistério a resolver, qual seria o monte conhecido pelos mareantes como “Mama Gorda”? Ora, se Monte Figo e Monte Pequeno não oferecem lugar a dúvidas, então a que monte corresponderá a tal “Mama Gorda” assinaladas por Serrão pai e filho !?

Ora, sabendo eu que o ponto mais alto da Serra de Tavira é sem dúvida a Alcaria do Cume, que soma 535 metros, a qual encima uma cordilheira que vai sem dúvida até Castro Marim. Daí poder-se-à deduzir que a “Mama Gorda” será a cordilheira cujo “mamilo” será o monte da Alcaria ? Como não tenho forma de estar numa embarcação afastada várias milhas da costa para ter ideia de ver alguma forma no relevo que se assemelhe a uma “mama gorda” optei por usar o Google Earth, em modo de visualização 3D ao nível do horizonte. As imagens que obtive foram estas:

costa-sotavento-google-earth
Perfil virtual do da costa vista do mar (simulação do Google Earth) de Tavira a Castro Marim
cerro e a alcaria
Perfil virtual do da costa vista do mar do Cerro de S. Miguel a Tavira (simulação do Google Earth)

Não sei, pela observação do perfil do relevo, não se destrinça que se assemelhe a uma “mama gorda”. Reduzi a altura quase até 0 metros, porque depois o Google Earth acrescenta uns filtros a simular neblina que tenta o mais possível reproduzir o efeito real de estarmos a várias milhas da costa. Se quiserem explorar por vocês próprios os ditos mapas, os links para aceder são:

Em ambos os casos, clicar nos links acima irá abrir uma nova janela e lançar o novo Google Earth como app no vosso browser.

P.S.: Em 2016 o investigador Jorge Gonçalves do Centro de  Ciências do Mar apresentou o seu projecto de Toponímia dos Mares Algarvios (notícia no Barlavento On-Line aqui). Este é um caso diferente, os pescadores nos últimos cem anos baptizaram locais específicos no mar com nomes concretos. Neste caso, – e infelizmente não encontrei nenhum site onde se possa ter uma versão em grande resolução deste mapa de Toponímia dos Mares do Algarve – são nomes dados a troços do mar, e não em Terra.

Mais: parece que os cosmógrafos Serrão pai e filho não são os únicos a continuar a referir o termo “Mama Gorda”, sendo que num caso “Mama Gorda” é o nome dado ao mar defronte de Tavira…. vejam por vocês mesmos: https://www.google.com/search?tbm=bks&q=%22mama+gorda%22