A Quinta d'El Rei

Oforalvelhotavira1266 primeiro foral concedido a Tavira por Afonso III (1266) consagrou a criação da chamada Quinta D’El Rey, que fazia parte do chamado Reguengo de Tavira que era o nome que se dava ao conjunto de todos os bens reservadas por sua majestade no texto do dito foral. Deste reguengo estavam também incluídos os pertences do anterior governante mouro de Tavira, Ibn Fabilah, para além das salinas, moinhos, lagares e vinhas do dito líder mouro.
Todos os bens produzidos nessa quinta eram pertença do soberano, e livres de impostos. O que aconteceu durante algum e até à venda da dita Quinta a particulares é que a Quinta foi sendo aforrada (ou concessionada) a diferentes individualidades, como Fernando Álvares Pereira (séc. XIV), irmão do famoso Nuno Álvares, e mais tarde a alguns elementos da família Corte Real original de Tavira, primos afastados do santo condestável (século XVI a XVII). Da família Corte-Real transitou para a Condessa da Calheta já no século XVII. Daqui foi doada às irmãs de Santo Alberto (Anica, 1993),  com convento em Lisboa, por via do facto da condessa ter entrado para o referido convento. Daqui transitou para outro proprietário, em 1771 pertence ao magistrado tavirense João Leal da Gama e Ataíde, ficando nesta família até 1854 quando a descendente a vende a José de Conceição Camacho e Luís António Teixeira Peres (Anica,1993). Estes por sua vez foram trespassando o terreno a outras individualidades, até que a Câmara a compra em 1960 , para dar início à urbanização daquela zona rural em plena cidade .
A fotografia que se divulga aqui dá conta do momento do actual Tribunal em Tavira, por volta dos anos 60, julgo. Como se pode bem ver, para além da omnipresença do telhado de tesouro, temos a construção de um edifício moderno, que se destaca, destinado a funções administrativas do Estado em plena zona verde da cidade.

2c148486e231a760c2665c35f4f18289
Construção da actual Casa da Justiça em Tavira (1960). Na foto podem-se ver as modernas ruas Silvestre Falcão (em frente) e a Rua Augusto Carlos Palma, com a qual a outra faz esquina. Do outro lado da rua haveriam de surgir as mordenas instalações da Telecom. Foto encontrada em https://www.pinterest.pt/libertex66/tavira-antiga/ .

O que ressalta sobretudo é uma ilha de casas modernas construída já durante o século XX que se encontra completamente rodeada pelo casario mais antigo que subsistiu na cidade. A Casa da Justiça de Tavira, o enorme prédio de dez andares que esteve anos por ser terminado do outro lado da rua Silvestre Falcão e que deixou um grande buraco à vista pelos alicerces durante o meio dos anos 80. Todas aquelas casas que vão até às traseiras do antigo Hospital do Corpo Santo (actualmente o colégio da Misericórdia) até à entrada principal do Quartel Militar da Atalaia pertenciam a este espaço agrário reservado a sua majestade, para Leste ele era limitado pela Rua do Montalvão e por Norte pelas casas que se vêm na foto, da antiga Rua Nova Grande, actualmente Rua da Liberdade.

Às vezes fico a pensar, se à quinta d’El Rey tivesse dado lugar um jardim público de grandes dimensões, o que teria sido possível fazer em termos de ter uma “ilha verde” rodeada apenas de edifícios históricos antigos. Isso e outros pedaços de história da cidade que nunca deveriam ter sido apagados por decisões pontuais, como a Torre do Mar, o Pelourinho, ou nao terem permitido construir erigir prédios a encobrir a muralha na Praça da República. Mas de todas a mais gritante foi a demolição da Torre do Mar.

P.S: passei há pouco tempo junto da Casa da Justiça de Tavira e realmente o espaço tá bem ajardinado e arrelvado. Se continuarmos em frente, deixando nas nossas costas a Casa da Justiça, podemos descer as escadas e ir ter ao parque infantil, depois de passar debaixo da sombra de um belo arvoredo. Acho que o espírito da Horta D’El Rey ainda sobrevive um pouco no espaço ajardinado em volta da Casa da Justiça e no parque onde antigamente estavam as sedes das juntas de Freguesia de Tavira.