Retratos de Tavira através dos séculos

La Place de La Republique à Tavira

C’est une video fait sur une presentation que j’ai fait pour un cours de français. Il parle sur la Place de la Republique et sa historie.

É um vídeo de uma apresentação que fiz para um curso de francês. Fala sobre a Praça da República e da sua história, debruçando-se sobre a sua história, para além de pontos de interesse turístico desta praça que constitui o centro da cidade.

 

“Fortificações do Algarve”, por Baltasar de Azevedo Coutinho, capitão do Real Corpo de Engenheiros (ca. 1800)

PT-TT-CRT-211_m0020(1)
Baltazar Azevedo Coutinho foi discípulo de José Sande de Vasconcelos, e na linha do mestre, também cartografou e inventariou os fortes e baterias da costa. Esta imagem consta da folha 21 da sua obra “Fortificações do Algarve“, representará a linha de Costa entre Cacela e actual Cabanas (os dois fortes!) por volta de 1800, pouco antes da Invasões Francesas, está disponível aqui no digitarq da Torre do Tombo

Tavira, no virar para o século XX

tavira-no-virar-para-o-seculo-XX
O Castelo de Tavira, tal como aparece na página 183 da obra “As mouras encantadas e os encantamentos no Algarve” de Ataíde de Oliveira (impressa na Tipogrfia Burocrática, Tavira, 1898). Na página seguinte o seu autor faz referência à lenda da “moura do castelo”. No canto superior é bem visível o campanário da igreja matriz do castelo.

A “Mama Gorda” vista do mar

Tive oportunidade de ir navegar pela costa próxima do Sotavento, e ver “finalmente” o “Cerro da Mama Gorda”. Aqui deixo a foto para servir de testemunho da minha e obrigado ao amigo Armindo Conceição por me convidar a acompanhá-lo na sua embarcação de pesca. Para juntar o ouro ao azul, estive numa zona do mar chamada precisamente de “Mar da Mama Gorda”, conhecida pela sua abundância de peixe.

Fica então aqui uma foto com a “sra. Mama Gorda”, conhecida desde há séculos pelos mareantes que deambulam por esta conta desde fenícios, gregos, romanos, vândalos, mouros e finalmente, portugueses.

Cabanas coroada pela Mama Gorda
O Cerro da Mama Gorda é a elevação central da cordilheira da Serra de Tavira. Foto obtida a poucas milhas da costa. O casario é da vila de Cabanas de Tavira.

 

Conceiçãonenses presentes nos palcos europeus da Guerra Mundial há 100 anos

ACTUALIZAÇÃO: Mais dois nomes a acrescentar à lista de residentes da Conceição presentes na frente europeia da Guerra de 14-18. São Artur da Cruz e José da Cruz Calhau. Não encontrei os dois nomes na pesquisa inicial porque os locais de proveniência era “Tavira” e não “Conceição”. Cheguei graças ao Severiano Cruz, que me referiu que o seu avô Artur da Cruz Calhau, que deve ser o “Artur da Cruz” que encontrei.
Esta é uma lista compilada dos registos de militares patentes no Arquivo Histórico Militar que integraram os contingentes do chamado Corpo Expedicionário Português (CEP),  dados como residentes na freguesia da Conceição de Tavira, a maior parte integrante do Regimento de Infantaria Quatro, com sede em Faro. Os links da direita apontam para uma página dentro do arquivo com a digitalização da caderneta militar do recrutado. Esta normalmente só indica a proveniência, nome do parente mais chegado e não indica local e data de nascimento. Para além de registar o estado civil (eram praticamente todos solteiros), relata episódios ocorridos durante a intervenção portuguesa, e os registos de disciplina são vários, desde o soldado que foi detido por roubar cerejas numa propriedade até outro que foi encontrado a jogar às cartas, existem vários destes episódios que não tive oportunidade de explorar mais amiúde.
Continuar a ler “Conceiçãonenses presentes nos palcos europeus da Guerra Mundial há 100 anos”

Referências de Conceição de Tavira nas obras de Luís Cardoso (1747-67)

O clero português no século XVIII (para além das finanças régias) precisava de ter uma ideia de quais seriam os seus rendimentos a nível nacional, fruto das concessões e foros atribuídos às ordens militares ou às dioceses (para não dizer “bispos”) pelos forais ao longo dos séculos. Em 1767, o presbítero Luís Cardoso, que já tinha publicado em 1747 o Dicionário Geográfico ou Notícia Histórica de todas as cidades, vilas, lugares e aldeias, rios, ribeiras e serras dos reinos de Portugal e Algarve decide fazer um catálogo em três volumes de todas as paróquias, nomes de elementos do clero. Uma espécie de “lista telefónica” daquele tempo onde inclusive lista o nome das cidades que recebem correio em nome das paróquias rurais a cujo “termo” pertencem. A esta obra chamou Luís Cardoso o nome de “Portugal Sacro – Profano : Ou Catalogo Alfabetico de todas as Freguezias dos Reinos de Portugal, e Algarve … juntamente com as leguas de distincia da Metropoli Do Reino, E da Cidade principal, e cabeça do Bispado, com o numero dos fogos : Noticia das terras do Reino, que tem Correio, e as que o não tem, de que Correios se servem“. Ora o termo de “Nossa Senhora da Conceição” aparece duas vezes, uma no volume 3 na lista das paróquias que não tem lugar para entregar correio e volta a aparecer no volume 2, numa entrada em conjunto com a outra paróquia também de nome Conceição no Algarve, mas situada em Faro. Continuar a ler “Referências de Conceição de Tavira nas obras de Luís Cardoso (1747-67)”

A “mama gorda”

Actualização: Tive oportunidade de ir navegar pela costa próxima do Sotavento, e ver “finalmente” o “Cerro da Mama Gorda”. Fica aqui o post referente com as fotos do dito “cerro”.

Quando se navega a poucas milhas da costa, esta apresenta relevos que podem ser usados pelos navegantes como pontos de referência. Aqui na Costa Algarvia do Sotavento, a colina sobranceira mais próxima do mar é sem dúvida o Cerro de São Miguel que, dos seus perto de 400 metros de altitude, é praticamente visível em terra e no mar, provavelmente conhecido desde tempos imemoriais quando imensos povos percorreram estes mares, e as suas embarcações nunca perdiam a costa de vista.
Muito provavelmente, a estes relevos notáveis eram atribuídos nomes e provavelmente dedicados a divindades relacionadas com o vento ou outras(e.g. Cabo de São Vicente, considerado Promontorium Sacrum pelos romanos). No caso do Cerro de São Miguel, também chamado de Monte Figo na antiguidade, baptizando a serra de constituição calcária do qual o Cerro é a sua elevação mais importante, um artigo da autoria do geógrafo Luís Fraga da Silva já discute a importância que essa elevação representaria para os navegadores na antiguidade clássica.
O tema que quero apresentar hoje é referente a uma expressão usada para indicar a “Serra de Tavira” partir do mar desde, pelo menos, o século XVII, quando “Mama Gorda” aparece em pelo menos dois livros, um da autoria do geógrafo português Luís Serrão Pimentel e mais tarde por seu filho Manuel Pimentel :

Entre estes cerca de 30 anos vemos e entre pai e filho que foram ambos cosmógrafos reais de Portugal há de assinalar mais pormenores em comum do que as diferenças: em primeiro lugar, Tavila passa a chamar-se Tavira . E, em segundo lugar, em 1712, Manuel Pimentel assinala a dificuldade da entrada no Porto de Tavira devido à existência de barras cuja localização se encontra constantemente em movimento (facto referido mais tarde por Sande de Vasconcelos nas notas das suas cartas de Tavira). Mas os nomes dos pontes de referência relativos aos relevos são os mesmo: Monte Figo, Monte Pequeno (Cerro da Cabeça, a leste do Cerro de São Miguel), e novamente a tal “…Mama Gorda, a qual serra vay correndo ate Crastomarim“, e neste ponto o texto do filho Manuel Serrão é “ipsis verbis” o do pai. Impõe-se então aqui um mistério a resolver, qual seria o monte conhecido pelos mareantes como “Mama Gorda”? Ora, se Monte Figo e Monte Pequeno não oferecem lugar a dúvidas, então a que monte corresponderá a tal “Mama Gorda” assinaladas por Serrão pai e filho !?

Continuar a ler “A “mama gorda””

A Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Tavira

No Algarve o culto de Conceição chegou no século XVI tendo sido construídas duas igrejas em zona rural nos termos de Tavira e Faro, de tal forma que se converteram em topónimos dos sítios onde foram erigidas. Nomeadamente no caso  de Tavira, esta criação teve lugar em 1518, data da constituição da freguesia coincidente com a criação da dita paróquia.

Não se tem a certeza de que seja realmente de 1518, sendo deste ano o registo mais antigo da mais antiga visitação à referida igreja, então chamada de “ermida” referindo-se  a ela como “Ermida de Nossa Senhora da Conceição da Gomeira”:

Uma Casa nova, grande e muito boa, que ora se faz, e não está ainda acabada. E a capela-mor dela forrada de olivel [madeira de oliveira], e as paredes são de pedra e cal. E tem um altar de alvenaria e sobre ele a imagem de Nossa Senhora, de vulto, boa  e nova, dentro de um retábulo pequeno, de portas, e dois Meninos Jesus. E o corpo da igreja é de uma só nave (…) e metade dele está já forrado de olivel  coberto de telha, e sobre a porta principal está um campanário em que está uma campa (sino) grande  e novo (…). Achámos por informação que isto tomámos, que a dita Ermida foi começada de edificar por Rui Calvino e Gil Gonçalves da Costa e João Rosado, os quais com suas esmolas se com as esmola s dos fregueses e moradores dos arredores da dita Igreja a fizeram como ora está, e André Dias Parrado, mordomo que ora é (da Ermida), também de princípio com os sobreditos a ajudou a fazer(…).  E o capelão  da Igreja (ou seja, o pároco) Rodrigues Anes, ajudou a fazer a dita casa”.

Estes nomes aparecem referidos nas atas de vereadores de Tavira, nomeadamente Rui Calvino, Gil Gonçalves da Costa e João Rosado foi procurador do concelho  de Tavira em 1500.

A versão original da igreja, teria, portanto, além do pórtico actual, mas dispunha apenas de uma nave, como ermida que era. Anica propõe que o início da construção se tenha dado por volta de 1508.

Visitações posteriores relatam novos acrescentos à versão da igreja relatada em 1508: em 1554 relatam que a mesma era abobadada e a capela mor media vinte  e dois palmos de altura e largura, sendo quadrada. Mais acrescentam que a porta principal abria para Sul, era de pedraria de ponto de quarto portados  e tinha dezassete palmos  de altos e nove palmos de largo. Relatavam também a existência de uma porta lateral (actualmente existem duas)l. Em 1565,  a Igreja continua a ser relatada como de apenas uma nave. Continuar a ler “A Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Tavira”