Uma união de freguesias mas a Santa já não vem a Cabanas

Venho por esta via manifestar a minha estranheza para com o facto de mais uma vez este ano não se ter efectuado o trajecto da tradicional procissão no dia 8 de Dezembro, feriado devotado à padroeira nacional, Nossa Senhora da Conceição, com a procissão desde o local de repouso da imagem, na Igreja Paroquial até à vila de Cabanas. Há registos de que a procissão incluía a descida até à marginal de Cabanas, e se fazia todos os anos desde tempos imemoriais… mas isso terminou. E terminou desde o ano passado. Mas no ano passado ainda encetaram uma “visita” nocturna pouco anunciada uns poucos dias antes do dia feriado em Cabanas.

Traseiras do Igreja. Possível localização do primitivo cemitério.


Mas este ano nem isso sucedeu, viu-se uma procissão muito lânguida, mais curta que o habitual, sem a saída de outros imagens de santos como o São Luís e o São Sebastião, como era costume.
Diz o diz que disse que a Santa da Conceição se zangou com os cabanenses e é ciumenta, por eles terem decidido devotar-se a uma nova virgem, Nossa Senhora do Mar, cujas “Festas dos Pescadores” se realizam em Agosto. E por isso a Padroeira Nacional prefere dar a cara apenas aos seus devotos que moram no lugar outrora conhecido  por “Sítio da Igreja”.

Continuar a ler “Uma união de freguesias mas a Santa já não vem a Cabanas”

O bébé “D. Fernando”

ACTUALIZAÇÃO: em que se tornou D. Fernando quando chegou à vida adulta !? Deixei a resposta para este outro artigo.

Nos registos paroquiais, principalmente nos de baptismo, é muito frequente ver anotado na margem o primeiro nome da criança que acabou de receber os santos óleos. Tenho pesquisado cadernos paroquiais na senda da descoberta dos meus antepassados, mas enquanto vasculhava o caderno respeitante ao período 1760-1765, deparei-me com esta preciosidade: uma nota na margem do caderno com um bem visto “D.” antes de “Fernando”, respeitante a um bébé acabado de nascer em Tavira a 13 de Junho de 1761 e baptizado na Paróquia de Santa Maria do Castelo. Acontece que o pequenino D. Fernando, de seu nome completo “Fernando António José Bento Domingos Xavier Balthazar Joaquim João de Noronha” era filho do governador do reino do Algarve D. Rodrigo de Noronha, que havia seis anos antes mudado a sede oficial do Governo do Algarve de Lagos para Tavira, após os tremendos estragos feitos pelo terramoto na cidade barlaventina, onde havia inclusive perdido o filho de nome Francisco (1). Ao mudar-se para Tavira, D. Rodrigo de Noronha quis garantir um poiso mais seguro, uma vez que Tavira havia resistido ao terramoto. Seis anos mais tarde, foi recompensando pelo nascimento deste filho. D. Rodrigo António de Noronha era neto do 3º Marquês de Marialva D. Diogo de Noronha por casamento deste com a marquesa neta de António Luís de Meneses , o herói da Batalha das Linhas de Elvas, o  primeiro marquês. No entanto, no ano seguinte, D. Rodrigo abandonaria o cargo, deixando-o para o Marquês de Louriçal , após a resistência da esposa D. Maria Antónia em permanecer no Algarve, debaixo de grandes dificuldades económicas num reino ainda a recuperar das ruínas do fatal terramoto.(2)