Estácio da Veiga e a sua casa rural das Cabanas da Conceição

Morreu há 127 anos na sua casa de Arroios em Lisboa o pioneiro da arqueologia portuguesa, Estácio da Veiga. Na data da sua morte vamos relembrar a casa rural que Estácio herdou do seu avô e as relações que manteve com a freguesia, onde não deixou de fazer também descobertas…

Muita gente não saberá, mas o emérito pioneiro da Arqueologia portuguesa Estácio da Veiga possuía uma casa rural em Cabanas , consoante relata Arnaldo Anica na sua Monografia de Cabanas [1]. Rural na época em que ele viveu (1828-1891), porque neste momento tal edifício a existir algum vestígio dele, já foi complemente ocultado debaixo do avanço do betão turístico contemporâneo. As propriedades de Estácio na freguesia da Conceição chegaram-lhe por via de propriedades do avô, o tenente-coronel Sebastião Martins Mestre – um dos líderes da resistência contra as incursões franceses no Algarve –  possuía na freguesia.

Estácio da Veiga na época do seu casamento com Amélia de Claranges Lucotte. Reprodução fotográfica emoldurada na metade esquerda de um porta-retratos de casal, correspondendo a outra metade à de sua mulher.Do arquivo da família, por Cardoso(2018) [2]. Foto reproduzida do site do CIIPC.

Sebastião Martins Mestre, avô materno e padrinho de Estácio da Veiga, é uma personagem de  muito pouco se sabe a respeito de suas origens, mas novas investigações permitem estabelecer que nasceu em Arenilha (actual Vila Real), algures entre 1762 e 64. Fez parte do regimento de infantaria de Tavira, de onde mais tarde emigrou para Gibraltar onde conheceu a sua esposa, britânica de nascimento, Mary Phillips. As suas ligações com os ingleses permitiram o apoio da Royal Navy no levantamento da resistência algarvia contra a presença francesa no Algarve aquando da 1ª Invasão Francesa (1808). Após a retirada francesa, ficou como governador dos fortes de Cacela e de São João da Barra de Tavira [3], sendo mais tarde presidente da Câmara Municipal de Tavira em 1820 e finalmente Governador Militar de Vila Real de Santo António.  Foi na freguesia da Conceição que Sebastião Martins Mestre foi proprietário de um casa rural em Cabanas (naquela altura chamadas -da Conceição) e uma fazenda no sítio conhecido como Arrancada .  Esta última situa-se próximo do lugar onde actualmente se situa a actual Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR do Almargem). Não é conhecida a forma de como Sebastião Mestre terá adquirido estes bens, mas será tema para explorar num futuro artigo.  Certo é que ambas as propriedades passaram para o seu neto Estácio da Veiga. 

O objectivo deste post não é falar da obra do arqueólogo tavirense, sobejamente conhecida, mas das suas relações com a freguesia da Conceição, e as referências que a ela faz. 

Continuar a ler “Estácio da Veiga e a sua casa rural das Cabanas da Conceição”
[1] Anica, Arnaldo Casimiro. 2011. Monografia da freguesia de Cabanas de Tavira. Edited by de de Tavira, Junta Freguesia Cabanas. 1 ed. Cabanas de Tavira: Junta de Freguesia de Cabanas de Tavira. .
[2] Cardoso, João Luís (Universidade Aberta). 2018. Nos 190 anos do Nascimento de Sebastião Philippes Martins Estácio da Veiga (1828-1891). Oeiras. . link
[3] Chagas, Ofir Renato. 2004. Tavira, Memórias de uma cidade. author ed. Tavira. .

O bébé “D. Fernando”

ACTUALIZAÇÃO: em que se tornou D. Fernando quando chegou à vida adulta !? Deixei a resposta para este outro artigo.

Nos registos paroquiais, principalmente nos de baptismo, é muito frequente ver anotado na margem o primeiro nome da criança que acabou de receber os santos óleos. Tenho pesquisado cadernos paroquiais na senda da descoberta dos meus antepassados, mas enquanto vasculhava o caderno respeitante ao período 1760-1765, deparei-me com esta preciosidade: uma nota na margem do caderno com um bem visto “D.” antes de “Fernando”, respeitante a um bébé acabado de nascer em Tavira a 13 de Junho de 1761 e baptizado na Paróquia de Santa Maria do Castelo. Acontece que o pequenino D. Fernando, de seu nome completo “Fernando António José Bento Domingos Xavier Balthazar Joaquim João de Noronha” era filho do governador do reino do Algarve D. Rodrigo de Noronha, que havia seis anos antes mudado a sede oficial do Governo do Algarve de Lagos para Tavira, após os tremendos estragos feitos pelo terramoto na cidade barlaventina, onde havia inclusive perdido o filho de nome Francisco (4). Ao mudar-se para Tavira, D. Rodrigo de Noronha quis garantir um poiso mais seguro, uma vez que Tavira havia resistido ao terramoto. Seis anos mais tarde, foi recompensando pelo nascimento deste filho. D. Rodrigo António de Noronha era neto do 3º Marquês de Marialva D. Diogo de Noronha por casamento deste com a marquesa neta de António Luís de Meneses , o herói da Batalha das Linhas de Elvas, o  primeiro marquês. No entanto, no ano seguinte, D. Rodrigo abandonaria o cargo, deixando-o para o Marquês de Louriçal , após a resistência da esposa D. Maria Antónia em permanecer no Algarve, debaixo de grandes dificuldades económicas num reino ainda a recuperar das ruínas do fatal terramoto.(5)

Mapa de Tavira e seu litoral (1951)


Carta Militar do instituto geográfico do Exército de 1951, dez anos após o ciclone de 1941. Situação do Litoral entre Fuzeta e Cabanas na altura. É visível a Barra do Cochicho que abriu em consequência do ciclone. Os quebra-mares da barra artificial aberta em 1930 – e que ainda estão visíveis no mapa – marcam a posição dessa barra entretanto assoreada. 

O figueiral e a vinha dos netos do Corsário do Almargem

Monumenta Henricina é uma obra arquivística que consiste numa compilação de documentos arquivados, a maioria na Torre do Tombo, relativos à época dos Descobrimentos, e mesmo antes desta, ainda em período medieval, no que se poderia chamar de período pré-expansão portuguesa. Foi compilado nos anos 60 pela Universidade de Coimbra . Todos os seus catorze volumes estão disponíveis online tanto no Google Books como no archive.org . Já aqui referi alguns documentos relativos à família Franca que se estabeleceu em Tavira por volta de fins do século XIII, começando por Lançarote da Franca que teria acompanhado Manuel Pessanha na sua vinda para Portugal e, dizem alguns é o Lanzarote Malocello que figura nos anais da História que redescobriu as Canárias para os europeus. Este Lançarote seria genovês, tal como o primeiro almirante da Marinha Portuguesa, e dedicar-se-ia tanto à defesa das costas portuguesas como ao corso. As duas coisas naqueles tempos não estavam separadas.

Continuar a ler “O figueiral e a vinha dos netos do Corsário do Almargem”

Os topónimos mais antigos da freguesia: Almargem

Já foi feita referência ao topónimo mais antigo da freguesia histórica da Conceição: Gomeira, mas existem outros topónimos igualmente antigos na freguesia, e um deles é o Almargem, que dá o nome à ribeira do mesmo nome que separa a freguesia da Conceição da freguesia histórica de Santa Maria e que surge em mapas muito antigos, pelo menos desde o século XVI. A ideia do presente texto é dar uma ideia de todas as menções existentes em mapas e documentação referente a este topónimo.

No que toca à etimologia do topónimo Almargem, é escusado dizer que não pode deixar de ter origem árabe por causa da sílaba inicial al- . De acordo com o Dicionário de Arabismos na Língua Portuguesa [1] vem de al-marj que significa “prado”,”pastagem” ou “terreno plano”.  É possível que na passado  almargem fosse usado como palavra na língua quotidiana do dia-a-dia, com os significados enumerados antes. Ora o baixo Almargem,  corre num vale que consiste numa grande várzea ladeando as margens da ribeira antes da sua foz. Na verdade, a várzea é um banco de aluvião, composta por sedimentos largados pela ribeira em momentos específicos de inundações em que o curso de água suplanta as suas margens habituais.

Tenho portanto andado muito curioso em investigar a origem do topónimo “Almargem” que, para além de se referir ao vale definido pela Ribeira do mesmo nome e o segundo maior curso de água do concelho de Tavira, define a fronteira entre a freguesia de Tavira e a de Conceição, sendo este traçado bem antigo e que advirá da altura da fundação da freguesia no século XVI. Arriscar-me-ia a dizer que será o traçado de fronteiras mais antigo do concelho de Tavira (a seguir à fronteira das freguesias urbanas de Santa Maria e Santiago, que vem do tempo da conquista cristã – agora unidas depois de 750 anos). A Ribeira do Almargem também é o maior curso de água com caudal que encontramos para quem depois de cruzar o Guadiana entra em Portugal. A Ribeira de Cacela e outros pequenos cursos de água (Álamo, Lacém, Junco, Canada… ) não chegam a ser ribeiros com grande leito…. incapazes o suficiente de impedir uma força de cavalaria de o cruzar (ou “saltar”). A Ribeira do Almargem desagua na Ria Formosa e nos quilómetros finais o seu vale alarga de tal modo que podemos estar perante o que seria no passado um largo estuário que entraria bastante por terra adentro (sendo possível que tivesse existido um estuário comum Gilão/Almargem, onde os dois cursos de água desembocariam). Esse possível cenário em tempos primevos foi discutido numa exposição do Museu de Tavira há vários anos (ver Tavira e os Patrimónios do Mar)[2].

Entre Balsa/Tavira e os povoados mais antigos de maior importância (Castillah/Cacela e Baesuris/Castro Marim) haveria de existir uma via de comunicação terrestre porventura desde o tempo dos romanos e existe uma ponte antiga muito para jusante no vale (a cerca de dois a três quilómetros da foz). Esta ponte velha está classificada como imóvel de interesse público e ainda actualmente está ao “serviço”, com algumas limitações óbvias (proibição de cargas superiores a 15 t na ponte).

Agora no que toca a referências a esta ponte e ao topónimo no acervo histórico, diria que é até interessante. Passemos a referi-las nos parágrafos seguintes.

Continuar a ler “Os topónimos mais antigos da freguesia: Almargem”
[1] Alves, Adalberto. 2013. Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa – Adalberto Alves – Google Livros. Edited by da Moeda, Imprensa Nacional Casa. 1 ed. Imprensa Nacional Casa da Moeda. . link
[2] v.a. de Tavira), (Museu. 2008. “Tavira, Patrimónios do Mar” by Museu Municipal de Tavira – issuu. Tavira. . link

As armas da cidade de Tavira

    no Thesouro da Nobreza de Francisco Coelho (c.1675) Fachada dos Passos do Concelho (1837) Escudo patente na base do memorial aos mortos da I Guerra. Já apresenta a versão moderna.

As armas da cidade de Tavira foi publicado originalmente aqui

As armas da cidade de Tavira foi publicado originalmente aqui

As armas da cidade de Tavira

A Baixa Ribeirinha de Tavira (1880)

O Rio e marginal ribeirinha de Tavira antes da construção dos actuais Jardim e Mercado. A foto deve ser o mais tardiamente possível de 1885. Esta é a outra foto menos conhecida onde figura a Torre do Mar antes do seu desmantelamento em 1888. São bem visíveis a Principal, encostada junto à Torre, parte dos…

A Baixa Ribeirinha de Tavira (1880) foi publicado originalmente aqui

IMG_20180831_160214_HDR.jpg
O Rio e marginal ribeirinha de Tavira antes da construção dos actuais Jardim e Mercado. A foto deve ser o mais tardiamente possível de 1885.

Esta é a outra foto menos conhecida onde figura a Torre do Mar antes do seu desmantelamento em 1888. São bem visíveis a Principal, encostada junto à Torre, parte dos edifícios que “assomam” para a Praça da Ribeira e que ainda lá estão. São visíveis o palácio da Galeria e a Igreja de Santa Maria e o castelo dominando a paisagem, tal como há 100 anos. Esta foto é o único testemunho visual existente do antigo palacete dos Mendonça Corte Real, que, tal como o Palacete dos Marques Freire – o único ainda hoje existente na margem direita – que teria paredes meias com o rio. No palacete dos Corte Real se teria albergado o rei D. Sebastião durante a sua visita a Tavira.

Vê-se o que parece ser uma rampa de areia ou pequeno cais improvisado por onde os pescadores descarregariam. Nesta imagem e na anterior do “Prospecto de Tavira” de Sande de Vasconcelos é visível que as embarcações de pesca de menor calado subiam o rio para descarregar o peixe. Nesta foto não é visível a ponte, mas consegue-se ver que as margens do rio não estavam consolidadas como hoje em dia, sob uma estrutura de pedra empilhada e talhada. Em parte, a requalificação do baixa ribeirinha feita por José Pires Padinha, o autarca por detrás da requalificação, ao elevar as margens do rio com blocos de pedra talhada sobrepostas,  contemplaria uma parte de salvaguarda contra as enchentes das enxurradas invernais do rio e das marés vivas. Portanto naquele tempo, haveria uma verdadeira “praia fluvial” na margem direita do Gilão, local onde os barcos que subiam o Rio embarcavam e desembarcavam.

A nova baixa ribeirinha encetada por Padinha dotaria os tavirenses de uma maior segurança relativamente às subidas do nível de água do Gilão, e ao mesmo tempo ofereceu um espaço lúdico e de comércio (o novo “Mercado da Ribeira”) para a população junto do seu meio natural de subsistência e convivência – o Rio .

Por outro lado, mostrava que a cidade de Tavira tinha uma classe social em ascenção que finalmente tinha acesso aos proveitos  das explorações das armações de atum. Aquilo que antes era um exclusivo quase dos monarcas – os lucros das armações do atum – foram liberalizados com a criação com a Companhia de Pescarias do Algarve ainda no tempo do Marquês do Pombal. Mais tarde, outras companhias de pesca do atum, de iniciativa totalmente privada e exploradas por burgueses locais apareceram – como a Balsense. Um grupo de tavirenses burgueses  (fora a nobreza rural tradicionalista) saltou para o palco da liderança da autarquia e racionalizou a cidade, dotando-a de um equipamento que ainda hoje se conserva, com algumas alterações posteriores – mas no essencial a baixa ribeirinha tavirense oitocentista mantêm-se, com os seus gradeamentos de ferro nas margens altas do rio.

A Baixa Ribeirinha de Tavira (1880) foi publicado originalmente aqui

A Baixa Ribeirinha de Tavira (1880)

IMG_20180831_160214_HDR.jpg
O Rio e marginal ribeirinha de Tavira antes da construção dos actuais Jardim e Mercado. A foto deve ser o mais tardiamente possível de 1885.

Esta é a outra foto menos conhecida onde figura a Torre do Mar antes do seu desmantelamento em 1888. São bem visíveis a Principal, encostada junto à Torre, parte dos edifícios que “assomam” para a Praça da Ribeira e que ainda lá estão. São visíveis o palácio da Galeria e a Igreja de Santa Maria e o castelo dominando a paisagem, tal como há 100 anos. Esta foto é o único testemunho visual existente do antigo palacete dos Mendonça Corte Real, que, tal como o Palacete dos Marques Freire – o único ainda hoje existente na margem direita – que teria paredes meias com o rio. No palacete dos Corte Real se teria albergado o rei D. Sebastião durante a sua visita a Tavira.

Vê-se o que parece ser uma rampa de areia ou pequeno cais improvisado por onde os pescadores descarregariam. Nesta imagem e na anterior do “Prospecto de Tavira” de Sande de Vasconcelos é visível que as embarcações de pesca de menor calado subiam o rio para descarregar o peixe. Nesta foto não é visível a ponte, mas consegue-se ver que as margens do rio não estavam consolidadas como hoje em dia, sob uma estrutura de pedra empilhada e talhada. Em parte, a requalificação do baixa ribeirinha feita por José Pires Padinha, o autarca por detrás da requalificação, ao elevar as margens do rio com blocos de pedra talhada sobrepostas,  contemplaria uma parte de salvaguarda contra as enchentes das enxurradas invernais do rio e das marés vivas. Portanto naquele tempo, haveria uma verdadeira “praia fluvial” na margem direita do Gilão, local onde os barcos que subiam o Rio embarcavam e desembarcavam.

A nova baixa ribeirinha encetada por Padinha dotaria os tavirenses de uma maior segurança relativamente às subidas do nível de água do Gilão, e ao mesmo tempo ofereceu um espaço lúdico e de comércio (o novo “Mercado da Ribeira”) para a população junto do seu meio natural de subsistência e convivência – o Rio .

Por outro lado, mostrava que a cidade de Tavira tinha uma classe social em ascenção que finalmente tinha acesso aos proveitos  das explorações das armações de atum. Aquilo que antes era um exclusivo quase dos monarcas – os lucros das armações do atum – foram liberalizados com a criação com a Companhia de Pescarias do Algarve ainda no tempo do Marquês do Pombal. Mais tarde, outras companhias de pesca do atum, de iniciativa totalmente privada e exploradas por burgueses locais apareceram – como a Balsense. Um grupo de tavirenses burgueses  (fora a nobreza rural tradicionalista) saltou para o palco da liderança da autarquia e racionalizou a cidade, dotando-a de um equipamento que ainda hoje se conserva, com algumas alterações posteriores – mas no essencial a baixa ribeirinha tavirense oitocentista mantêm-se, com os seus gradeamentos de ferro nas margens altas do rio.

O Brasão do Algarve

Já alguma boa gente deve ter notado que quase todas os municípios algarvios usam uma cabeça de um rei mouro e uma cabeça de rei cristão no brasão de armas da cidade ou vila: as únicas excepções são Olhão (que já usou no passado), Faro e Lagos. A razão de apareceram esses rostos tem a…

O Brasão do Algarve foi publicado originalmente aqui

Já alguma boa gente deve ter notado que quase todas os municípios algarvios usam uma arco maximilianocabeça de um rei mouro e uma cabeça de rei cristão no brasão de armas da cidade ou vila: as únicas excepções são Olhão (que já usou no passado), Faro e Lagos. A razão de apareceram esses rostos tem a ver com razões  culturais e históricas, mas também pelo facto do brasão do Reino do Algarve ter sido a principal força motriz por detrás da revisão dos escudos a partir de 1927. A história começou pelo município de Silves, que não se revia em usar um “escudo de prata” sem nada no seu interior (“armas lisas”, no dizer da Heráldica). Após consulta à Associação Portuguesa de Arqueólogos, o historiador Afonso de Ornelas submeteu a sua proposta para o novo desenho das armas da cidade de Silves, claramente inspirado no histórico brasão do Reino do Algarve. Este escudo, que não foi concebido em Portugal, por portugueses, foi provavelmente originalmente concebido pelo artista germânico Albrecht Durer em colaboração com outros para um trabalho comissionado pelo sacro imperador romano Maximiliano I chamado “Arco Triunfal” que consistia num imenso mosaico de xilogravuras ostentando “em todo o seu esplendor” o poder imperial do sacro imperador.

Querem saber, consultem o artigo sobre o brasão do reino do Algarve na Wikipedia, está lá tudo explicadinho !

O Brasão do Algarve foi publicado originalmente aqui