O Sr. Marcelino

Ao estar a consultar os registos paroquiais da freguesia do fim do século XIX, para poder cruzar com os registos dos soldados da freguesia que foram combater na Flandres em 1917 deparei-me com o registo de baptismo de um senhor que em Cabanas ficou célebre. Trata-se do senhor Marcelino, nascido a 30 de Maio de 1897, que cheguei ao conhecer bem na infância. Já a minha avó, que tinha nascido em 1926 o conhecera e faleceu ainda antes dele em 1998, era adulto feito. Dizia ela que ele tinha 90 anos já na altura (na década de 80) e passeava-se de bicicleta por Cabanas sem contar o peso da idade. Pois bem, como podem bem ver pelo averbamento feito no Arquivo Distrital de Faro (!) o sr. Marcelino viveu até 2003, falecendo com 106 anos de idade e ainda me lembro de ver a reportagem dele na TVI acho que em 1998, já tinha ultrapassado a barreira dos 100 anos e passar a ter direito a usar uma idade com marca de três dígitos. O que me recordo dessa reportagem dizer que ainda que ainda subia ao telhado reparar as telhas da casa. Ele vivia na Rua José Correia do Nascimento, onde fica o restaurante da Grelha. Deve ter sido um caso num milhão, ou em dez milhões, o do sr. Marcelino, ter tido o privilégio de ter vivido em tres séculos diferentes.

Certidão de baptismo do sr. Marcelino José, a 30 de Maio de 1897, na Igreja da Conceição

A origem do topónimo "Gomeira".

Topónimos são nomes que usamos para nos referirmos coloquialmente a lugares geográficos ou populacionais  sem sabermos realmente da sua origem, cuja memória se perde desde tempos imemoriais.

Gomeira é porventura o topónimo mais antigo em toda a freguesia da Conceição. Ele persiste no nome de uma fazenda privada e na urbanização da “Quinta da Gomeira”, para além de figurar também na pesquisa de base de dados de códigos postais dos CTT, entre outros.

O “Google Maps” também aponta para um lugar com essa denominação e não parecem existir muitos mais lugares em Portugal com o mesmo nome. De acordo com o Dicionário luso-brasileiro “Gomeira” é um nome colectivo que pode ser usado de modo genérico para indicar árvores de frutos mas também para designar prados de plantas que libertam gomas, nomeadamente resinas. Estaria a designar uma mata de pinheiros bravos que é uma árvore resinosa ? Mas o facto de o termo ter sido usado pela primeira vez por Afonso III no seu foral de Tavira pouco tempo após a conquista da cidade do Séqua sugere que o termo já existia no século XIII, ou pelo menos terá sido criado nesse tempo. Como no mesmo foral o referido rei entrega toda a administração daquelas terras à ordem guerreira dos monges de Santiago d’Espada, tal parece sugerir que é essa a origem do outro topónimo “Mato do Ordem” daí em doravante igualmente usado com frequência na documentação histórica. Talvez a finalidade destas terras situadas entre os termos de Tavira e Cacela ganharam este nome em virtude de as matas serem generosas gomeiras, se de pinheiros bravos ou de outras resinosas, já Quinta da Gomeira Google Mapsnão há maneira de averiguar.
Actualmente o termo subsiste para referir apenas os terrenos existentes entre a N125 e a linha de Comboio para norte do lugar da Canada e a oeste da Conceição. Canada é igualmente outro topónimo bem antigo, e a origem por sua vez  terá a ver com o canavial que acompanha a ribeira da Conceição (chamada por alguns de Benamur) até à sua foz na ria. Ele no passado foi usado para delimitar propriedades, para além de ter sido dele a origem da primeira estrada de Conceição a Cabanas.
Regressando à questão do termo “Gomeira”, devido à sua antiguidade, a sua origem poderá ser árabe, visto ser referido logo a seguir à conquista de Tavira aos mouros.

Bibliografia:

  • Anica, Arnaldo Casimiro – Monografia da Freguesia da Conceição de Tavira, 2008

  • Anica, Arnaldo Casimiro – Tavira e o seu termo.

  • Chagas, Ofir – Tavira, Memórias de uma cidade.